Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mais Portugal Turismo

Nosso intuito é divulgar Portugal de forma a torná-lo ainda mais conhecido por nossa gente, e internacionalmente através da sua história, arquitetura, gastronomia, belezas naturais e manifestações culturais.

Mais Portugal Turismo

Nosso intuito é divulgar Portugal de forma a torná-lo ainda mais conhecido por nossa gente, e internacionalmente através da sua história, arquitetura, gastronomia, belezas naturais e manifestações culturais.

Sé Catedral de Silves - Silves, Algarve (Portugal).

11.05.18 | TZLX

São ainda muito obscuras as origens da Sé de Silves. Em 1189, data da primeira conquista da cidade pelas tropas cristãs, então comandadas por D. Sancho I, as notícias referem que a catedral foi sagrada sobre a antiga mesquita maior, situação que se terá repetido na conquista definitiva desta parcela do território. Infelizmente, não foi identificado, até ao momento, qualquer vestígio material que comprove essa continuidade cultual sobre um mesmo espaço, não obstante "os silhares da base da antiga torre sineira, situada junto ao topo norte do transepto" apresentarem "um desgaste muito superior a qualquer dos restantes" e de, por isso, poderem ser anteriores à fundação da catedral cristã (GAMITO et alli, 1997, p.280).
O edifício que hoje se conserva é uma construção claramente gótica, iniciada pelos meados do século XIII e cuja conclusão se arrastou extraordinariamente. Em 1268, solucionava-se a questão do senhorio do Algarve, mantida entre D. Afonso III e Afonso X, facto que permitia, finalmente, uma maior atenção do monarca nacional para as questões de povoamento e de organização dos homens na nova província-reino. A essa segunda metade do século XIII deve corresponder a cabeceira ou, mais propriamente, a organização geral de volumes da parte principal do templo. Certo é que um século mais tarde o projecto estava longe de se encontrar concluído e a própria cabeceira devia já apresentar alguns sinais de ruína, em consequência de um violento sismo na cidade e, com grande probabilidade, do próprio estado inacabado do estaleiro. Indício disso mesmo é a parcial reformulação do projecto da cabeceira, denunciado, em particular, pela presença de uma janela mainelada no alçado Sul.
Mas a principal campanha de obras que hoje se pode identificar data já do século XV. Na década de 40 deu-se decisivo impulso ao monumento, simplificando-se, para isso, o programa original gótico, porventura demasiado ambicioso para os recursos económicos da diocese. Mário Chicó notou já o carácter mais austero da nave, em relação à cabeceira e transepto. O portal principal, encaixado num robusto alfiz, denota uma decoração capitelar que podemos considerar já batalhina, contemporânea da lápide sepulcral de D. João II, diante do altar-mor.
A feição actual da Sé Catedral de Silves não se deve apenas a esta campanha quatrocentista. Ela é fruto de novas obras levadas a cabo no século XVIII, na sequência do terramoto de 1755, e no século XX, no âmbito do restauro patrimonial em série conduzido pela Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais (DGEMN).
Após 1755, partes consideráveis das naves haviam ruído. A campanha então posta em marcha foi bastante rápida, na linha das apressadas reconstruções empreendidas um pouco por todo o país após a calamidade que assolou Lisboa. Em 1758 estaria já terminada e a ela corresponde a parte alta da fachada principal, com o seu remate tipicamente barroco, e parte substancial da fachada lateral Sul, com a sua nova torre sineira.
A partir de 1938, e por um período de sensivelmente quatro anos, a DGEMN patrocinou o restauro da Catedral de Silves, com vista a devolver o edifício à sua pureza gótica original. Procedeu-se, então, à demolição de diversos anexos, em especial a sacristia barroca, bem como ao desafogamento de todo o edifício.
Apesar destas múltiplas fases construtivas, a Sé de Silves mantem-se como o principal monumento gótico do Algarve e aquele onde as dominantes estéticas mais vanguardistas se fizeram sentir, como é o caso da poderosa influência do Mosteiro da Batalha, cujo eco praticamente não se testemunha em outras construções algarvias, mas que em Silves é uma das principais marcas da sua fábrica.

Foto de Frank Wijn.

 

2009.jpg