Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mais Portugal Turismo

Nosso intuito é divulgar Portugal de forma a torná-lo ainda mais conhecido por nossa gente, e internacionalmente através da sua história, arquitetura, gastronomia, belezas naturais e manifestações culturais.

Mais Portugal Turismo

Nosso intuito é divulgar Portugal de forma a torná-lo ainda mais conhecido por nossa gente, e internacionalmente através da sua história, arquitetura, gastronomia, belezas naturais e manifestações culturais.

Sé de Aveiro - Aveiro (Portugal).

16.03.18 | TZLX

A actual Sé de Aveiro foi, outrora, a igreja do Convento de São Domingos, a primeira instituição conventual implantada dentro do perímetro das muralhas de Aveiro (NEVES, 1996, p.14). Fundado em 1423, em consequência da aparição da Virgem a Afonso Domingos, o Velho, esta instituição de religiosos dominicanos recebeu desde logo a aprovação do Infante D. Pedro, então Duque de Aveiro (NEVES, SEMEDO, ARROTEIA, 1989, p. 63). Já no século XIX, o convento desapareceu quase por inteiro, depois de sofrer vários incêndios, um dos quais, em 1843, de maiores proporções (NEVES, SEMEDO, ARROTEIA, 1989, p.63), sobrevivendo apenas a igreja como testemunho desta casa conventual.
Do seu traçado quinhentista pouco ou nada resta, resultando a actual igreja da campanha arquitectónica dos séculos XVI e XVII, unificada pela intervenção decorativa barroca do século XVIII, responsável ainda pela abertura das janelas e da reestruturação do coro alto. Todavia, e tomando em consideração os cronistas da Ordem de São Domingos, até ao século XVII "a fábrica do Convento e Igreja assim era tosca, e apoucada, como de homens pobres, que mais olhavão para o que edificava o Povo no espiritual edifício, que no avultado das paredes (...)" (SOUSA, Frei Luís de, 1977, p.603; NEVES, 1996, p.15).
O traçado do templo, apresenta planta de cruz latina, com nave única e capelas laterais que comunicam entre si, sendo antecedida por uma galilé. O transepto e a capela-mor foram alvo de uma intervenção no século XX, sob projecto do arquitecto portuense Abrunhosa de Brito, que unificou este espaço, deixando visíveis testemunhos da construção original do século XV, nomeadamente do campanário, onde actualmente se exibe uma das peças mais interessantes deste conjunto - a virgem em alabastro, de Nottingham (REBELO, QUARESMA, 1979, p.44).
A fachada, de feição maneirista, deverá ter sido remodelada no século XVIII, dado que o portal, com a data de 1719, apresenta uma linguagem claramente barroca, tal como o remate do alçado. Desta composição sobressai a dupla colunata pseudosalomónica que ladeia o portal, o brasão da Ordem Dominicana, e ainda as figuras da Fé, Esperança e Caridade, sobre o referido pórtico. A torre sineira, onde se conserva o sino original, é obra do século XIX, tendo sido construída em 1860.
No interior, as capelas laterais remontam a épocas diferenciadas, integrando elementos decorativos de vários períodos, desde o século XVI, como é o caso do túmulo de D. Catarina de Ataíde, falecida em 1551, ou a capela funerária instituída em 1559 por João de Albuquerque, então Senhor de Angeja, e cujo túmulo se encontra actualmente no Museu de Aveiro. Entre os muitos exemplos que poderíamos citar, sobressai, numa das capelas laterais, o retábulo em calcário, do século XVI (1559) e de fabrico coimbrão, que representa a Visitação, os tectos com pinturas de gosto renascentista que ainda se observam nas capelas absidais, ou algumas imagens maneiristas, como a de Nossa Senhora do Rosário. Todavia, muitos dos retábulos apresentam uma linguagem da época barroca, remontando à campanha do século XVIII. Neste contexto, não poderíamos deixar de fazer referência ao denominado Cruzeiro de São Domingos, na primeira capela do lado da Epístola, datável do final do século XV. A sua réplica pode ser admirada o adro do templo desde 1978. Na nave da igreja existem dois púlpitos, de 1699 e 1745, em pedra de Ançã, bem como diversos painéis de azulejo setecentista, oriundos do ciclo coimbrão de Sousa Carvalho (SIMÕES, 1979, p.132). Por fim, o retábulo-mor de talha policromada e feição rococó, provém da demolida igreja de Vera Cruz. Do retábulo original apenas conhecemos a descrição de Frei Lucas de Santa Catarina, que nomeia uma série de esculturas que deverão corresponder às que ainda se observam, dispersas, pela igreja (NOGUEIRA, 1981). Ainda neste espaço inscreve-se o duplo cadeiral do século XVIII, com telas representativas de santos dominicanos nos espaldares.
[Fonte: RC - DGPC].

Foto (66).jpg